Select language

Anuais indispensáveis

Um dos nossos erros é insistir em plantas que requerem cuidados superiores ao tempo e gosto que temos por jardinagem/botânica. Por isso, devemos fazer uma pesquisa cuidada daquilo que queremos, antes de adquirir, sendo que um dos principais fatores a ter em consideração é o ciclo de vida.

O ciclo de vida de uma espécie é o tempo compreendido desde que o ser nasce até que morre, sendo que durante esse tempo o organismo passa por um conjunto de transformações de forma a assegurar a continuidade da espécie.

Olhando apenas para as Angiospermas (o maior e mais moderno grupo do reino Plantae, e nele estão contidas todas as plantas que dão flor) a germinação marca o início do seu ciclo de vida, seguindo-se do seu crescimento e maturação para mais tarde produzir flor, e desta forma assegurarem a continuidade da espécie através da semente que irá surgir depois. 

Para simplificar, iremos apenas considerar os dois ciclos de vida mais habituais: anual e perene. O primeiro é característico de plantas que vivem num máximo 1 ano (completam o seu ciclo de vida em um ano); o segundo é característico de plantas que vivem mais de 2 anos.

Na minha coleção do meu jardim a minha principal paixão e requisito são plantas perenes. Como a maioria delas estão preparadas para as condições climatéricas do local onde estão,  não tenho de me preocupar em coletar sementes para assegurar a sua continuidade. Mais ainda, muitas destas  reproduzem-se assexuadamente, o que me facilita na manutenção do jardim. São práticas, resistentes, e, desde que coloquemos espécies próprias para determinado solo, clima, etc, não temos grandes preocupações.

Quanto às anuais a sua vida, desde que nascem até que morrem, não dura mais que um ano, sendo que a produção da semente marca a fase final do ciclo. Neste tipo de espécies, pode não estar assegurada a sua aparição no nosso jardim no ano seguinte. É preciso ter em conta:
  1. As sementes são produzidas e caiem no chão. De seguida elas têm de sobreviver a todas as condições (chuva, vento, animais, ...) que as podem eliminar dos nossos jardins até que surja novamente a altura apropriada para elas germinarem espontaneamente. 
  2. Devemos coletar sementes para certificarmos que conseguimos semeá-las para o ano seguinte.

No entanto, é claro que tive de abrir umas 'candidaturas' extra para algumas plantas anuais no meu jardim. Contam-se pelos dedos de uma mão as espécies que tenho, mas todas elas são impressionantes! Fiquem a conhecer o que é anual no meu jardim:

A alegria anual no meu jardim passa indispensavelmente pelos maravilhosos Cosmos, família Asteraceae. Muito fáceis de germinar, dão imensas sementes e muitos acabam por nascer espontâneos ano após ano. Há várias variedades de cores, bem como outras espécies do mesmo género que também são anuais. Por enquanto só tenho esta variedade, espero em breve adquirir outras.

Cosmos bipinnatus

Cosmos bipinnatus

Cosmos bipinnatus
A borragem, Borago officinalis, pertence à família Lamiaceae, e é uma espécie bem conhecida entre todos. Aparece em estado selvagem um pouco por todo o território nacional. É uma das últimas aquisições do meu jardim, e fascina-me principalmente a textura fora do vulgar que o corpo da planta possuí, bem como as flores que parecem estrelas num tom azul muito atrativo.

Borago officinalis

Borago officinalis
 O manjericão, pertencente ao género botânico Ocimum (família Lamiaceae), faz parte do top das minhas plantas aromáticas preferidas, bem como do top das espécies que eu tenho muita pena que sejam anuais. O sonho de qualquer um é ter um manjericão imortal no seu jardim. A geada é fatal para esta planta, que adora exposição solar total e água qb.

Por isso, como bastante fã desta espécie, um dos meus árduos papeis é procurar as variedades que são mais resistentes. Até agora as minhas duas espécies preferidas são: a variedade 'Magic mountain' que aguentou o Inverno passado no meu jardim; e a variedade 'Pesto perpetuo', uma das minhas aquisições deste ano, que não dá flor e tem as folhas variegadas. O cheiro de ambos é formidável, e no caso nas espécies que dão flor, a poção da longevidade, é cortar constantemente as hastes recentes que irão florir.



Ocimum 'Magic mountain'

Ocimum 'Magic mountain'

Ocimum 'Pesto Perpetuo'

Ocimum 'Pesto Perpetuo'
Por fim, a Salvia viridis ou Salvia horminium, família Lamiaceae, foi uma espécie que introduzi no meu jardim via semente e sem dúvida estou deslumbrado com tamanha beleza As sementes originaram plantas com flores rosa, branco e roxo, e todas juntas, fazem um lindo arranjo natural. A missão é guardar algumas sementes para o próximo ano e esperar que as que fiquem no solo sobrevivam até à próxima primavera.


Salvia horminium

Salvia horminium

Salvia horminium
Salvia horminium


Salvia horminium

Salvia horminium
Salvia horminium

Comentários

  1. Estou nas nuvens, finalmente, encontrei um blog a minha cara, que coisa linda, se eu te contar que tenho mais de 250 espécies você acredita? E se te contar que dividi meu Garden em : Canto do serrado, com muitos cactos, canto bromélias, tem até dicks, canto mata atlântica que tem coisas incríveis como avencas e samambaias nativas, canto da horta, canto das medicinais, e tanto mais... vamos trocar muitas figurinhas haha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá! Muito obrigado desde já pelo seu comentário. Fico muito satisfeito que se identifique com o meu trabalho! Estou também muito curioso para ver fotografias do seu jardim e espécies. Bom trabalho de jardinagem :)

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares