Select language

Borboletário de Cascais


Hoje visitei o borboletário de Cascais, localizado no parque urbano de Quinta de Rana. Em termos de espécies a esvoaçar pela estufa, não é, de todo, a melhor altura do ano para termos belos encontros animalescos, mas a minha visita não tinha propriamente esse propósito. Há uns dias atrás ofereceram-nos (a mim e a umas colegas) umas lagartas de borboleta Monarca que me foram doadas no âmbito de um projeto escolar. Como não tínhamos forma de manter a espécie assim que se formasse a borboleta, decidiu-se contactar este borboletário e entregar-lhes as lagartas que entretanto já estavam no estado crisálida.

O responsável pelo espaço ficou muito contente com esta oferta e aproveitou a nossa visita, para nos dar a conhecer todo espaço. 

Euphorbia characias

Uma das maiores lições desta visita foi, tal como já sabia, que a presença de determinadas plantas no nosso jardim são atrativas de um determinado tipo de borboletas - plantas hospedeiras. Algumas Euphorbias (imagem de cima) são as preferidas da espécie Hyles euphorbiae enquanto que plantas do género Asclepias atraiem as borboletas Monarca (Danaus plexippus).

Asclepias curassavica


A arruda (Ruta graveolens) e o funcho (Foeniculum vulgare) são duas plantas hospedeiras da borboleta Cauda de Andorinha (Papilio machaon).


Foeniculum vulgare

Ruta graveolens
 A Erica australis é a planta hospedeira da borboleta Satyrlum esculi.

Erica australis
Outras plantas, por possuírem muito néctar, são chamadas nectíferas e são também uma forma interessante de chamar a atenção destes animais. Muitas delas são popularmente conhecidas e muitas vezes presentes nos jardins.

Pelargonium citrosum

Lantana camara
No final tivemos a possibilidade de ver alguns casulos, crisálidas e lagartas vivas e outros exemplares. A crisálida da borboleta caveira (Acherontia artrops) mexia-se quando estava em locais mais quentes. Apesar do nome comum desta borboleta ser um pouco assustador, a espécie é totalmente inofensiva.

Crisálida de Acherontia atrops
A estrutura arquitectónica da estufa pretende imitar um casulo. Estes são alguns dos recantos do espaço, repletos de plantas especialmente pensadas para as borboletas.



Não se esqueçam que as borboletas existem em maior quantidade em locais com melhor qualidade de ar, tendo, por isso, uma relação diretamente proporcional à pureza do local onde se encontram. Além disso contribuem para a polinização de diversas espécies botânicas.

Estes animais têm inúmeras curiosidades e particularidades que nem sequer imaginamos. Além de muito entusiasmantes, é importante aprendermos a respeitá-los e a preservá-los, pois muitas espécies estão perigo de vida. Nos próximos passeios no campo reparem com atenção o que vos rodeia, e guiem-se pelas plantas que elas mais preferem. Já nos nossos jardins podemos dar o nosso contributo colocando espécies botânicas que atraiam as borboletas.

O espaço do borboletário é muito interessante e aconselho vivamente, assim que estiverem dias mais solarengos, façam uma visita e fiquem a conhecer muito mais pormenores da vida destes animais, alem de que há muitas mais plantas hospedeiras para descobrir.



Comentários

Mensagens populares